O MOTIVO DE TODO ESSE MAL

O MOTIVO DE TODO ESSE MAL
O MOTIVO DE TODO ESSE MAL

ORAÇÃO DA SERENIDADE

"Deus, conceda-me Serenidade para aceitar as coisas que não posso modificar, Coragem para modificar aquelas que posso e Sabedoria para reconhecer a diferença, Só por Hoje, Funciona."

"EU ME ABRAÇO A VOCÊS E UNO O MEU CORAÇÃO AO SEUS PARA QUE JUNTOS POSSAMOS FAZER TUDO AQUILO QUE SOZINHO NÃO CONSIGO"

domingo, junho 26, 2011

“Usar drogas é viver na escuridão”

Moça em recuperação há 11 meses, após internação por alcoolismo e dependência de maconha, conta sua história na Campanha da Jovem Pan:

“Minha história começa sempre como um conto de fadas: a mocinha mais bela de sua terra(minha mãe) conhece o rapaz com quem ela que ela sempre quis ficar e acabam namorando. Ela ficou grávida, aos 17 anos, e teve que se casar muito cedo.Muito novos, meus pais não conseguiram ficar muito tempo no casamento então a mocinha foi morar fora com a filha, mas a vida precisava ser vivida e conhecida.Então ,eu fui morar com meus avó paternos, que me acolheram e, com eles, morei até os 15 anos.Não conhecia direito as drogas mas conhecia muito bem a palavra NÃO, já era uma menina mimada e tudo que eu queria, eu conseguia.

“A primeira vez que eu experimentei bebida foi com 14 anos, com um amigo e um gole, nossa, odiei, e meu pai descobriu e eu fiquei de castigo um mês.

Com 15 eu fui morar com a minha mãe em outra cidade e já fumava cigarro. Experimentei com amigas também.

A maconha foi com a turma de colégio, a gente “caziou” aula e fomos para a casa dessa amiga para fumar, da primeira vez não senti nada, então eu surgeri que usássemos no outro dia e essa amiga topou.Fumamos no outro dia na casa dela.Nossa no primeiro trago eu não sentia meu corpo direito, dormência, tive vontade muita de rir e não conseguia descer a escada direito. Quando chegamos na casa dela comi tudo que tinha na frente, deu um cansaço enorme e fomos dormir.Fiquei cansada uma semana, cansaço físico e mental. Mas mesmo assim eu continuei fumando mais ou menos 2 meses. Depois eu não quis mais e minha amiga jogou fora.

Voltei para minha terra com 18 anos e lá comecei com a bebida. Uma festinha ali, outra aqui. Passei para faculdade, e já estagiando comecei a namorar um cara mais velho e a gente sempre saía para beber.Nisso eu comecei a acompanhá-lo e a bebida ficou cada vez mais minha companheira, de quinta a domingo.

Acabei com esse namoro e, por causa das drogas meu trabalho também foi “roubado” de mim, pois eu achava mais importante a bebida, uma saída, em vez de ir para o trabalho.

Comecei a freqüentar festas de música eletrônica e com isso o acesso para outras drogas foi ficando mais fáceis.

LSD, bala (ecstasy), comprimido de emagrecer que eu tomava com bebida para ficar elétrica, potenay (anestésico de cavalo injetável), lança perfume, tudo que me deixava louca eu usava.Com isso eu não tinha mais tantas oportunidades de emprego, minha família não fazia parte mais da minha vida, pois eu não queria mais eles perto só queria meus amigos ou namorados usuários.Minha vida era um vazio, uma frustração, escuridão pois na hora da droga eu sempre queria aquela primeira sensação que eu sentia quando eu usei pela primeira vez e com o álcool eu queira ficar alegre ,mas sempre exagerava, e eu achava que eles iam preencher esse vazio e quando isso não acontecia, vinha a depressão que sempre ocorria depois do efeito da droga.

Minha vida ficou sem sentido, tentei me matar algumas vezes, meus ex namorados já me agrediram.E quem me tirou dessa escuridão foi minha família que eu sempre me afastei. Hoje estou de recuperação há 11 meses e ficar sem álcool, sem droga e sem festas e estar do lado da minha família é o maior presente que eu tenho pois hoje eu tenho amigos de verdade, e não traficantes do meu lado, tenho pessoas que me amam e torcem por mim e sei que tenho uma doença incurável, progressiva e fatal que se eu não cuidar posso voltar para onde eu estava e ficar pior ainda.Pois eu não sou diferente do cara que está na rua pedindo esmola para comprar uma garrafa de bebida álcoolica, ou o cara que está fumando crack na rua, a pessoa é diferente mas a doença é a mesma se eu não tratar eu vou para o caixão!

E olha que essa minha história de ‘viveram felizes para sempre’ ainda tem muito para acontecer se eu fizer o que meu Deus quer. Mas, só por hoje, eu sou feliz!

4 comentários:

  1. Parabéns, te desejo forças fé e esperança. Também estou nessa luta, só por hoje funciona! Vamos nos unir e se Deus quiser nunca mais voltar para aquele lugar escuro que um dia conhecemos. Hoje particularmente eu tenho uma missão, levar a mensagem para familiares e pessoas que ainda não encontraram uma saída. Estou com o site em desenvolvimento www.soporhojefunciona.com.br, mas se quiseres acessar para trocarmos experiências pode mandar e-mail por lá mesmo. Boa sorte!! Só por hoje funciona!

    A.P

    ResponderExcluir
  2. Parabéns amigo, que Deus te abençôe em nome de Jesus.

    ResponderExcluir